16 de outubro de 2017

A cantora Michele Andrade deixou a Banda X, do guitarrista Ximbinha.


MICHELE ANDRADE ANUNCIA DESLIGAMENTO DA BANDA X



A cantora Michele Andrade deixou a Banda X, do guitarrista Ximbinha. O anúncio de desligamento foi postado em suas redes sociais na tarde desta segunda-feira (16).

A ex-Limão com Mel disse que deixou a banda por descumprimento de acordo.

Michele afirmou que estava triste em dar a noticia por conta da expectativa gerada em torno do projeto.
Forro decumforca 

Ônibus de Paula Fernandes quebra e ela pede carona no meio da estrada


O ônibus que levava a cantora Paula Fernandes para mais um show de sua turnê quebrou na estrada em Campo Maior, no Piauí, neste domingo (15).
Apesar da situação complicada, Paula Fernandes não perdeu o humor e compartilhou vídeos em seu Instagram, registrando o momento.

“Eles estão tentando empurrar o ônibus pra ver se pega no tranco. Na verdade a bateria do ônibus pifou e a equipe inteira está aqui empurrando”, disse a cantora.
Portal O farol 

Confira como foi o dia 12 de outubro no Santuário Nacional de Aparecida


Fiéis lotam passarela do Santuário Nacional de Aparecida no dia 12 de outubro. (Foto: Carlos Santos)

Durante os 12 dias de festa no Santuário Nacional muitas celebrações e shows de padres e cantores famosos marcaram as comemorações dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Até a metade do dia 12 de outubro, mais de 155 mil devotos estiveram no Santuário Nacional de Aparecida, segundo dados parciais divulgados pelo Santuário Nacional.

Apenas na missa das 9h30, a principal do dia da Padroeira, foram aproximadamente de 40 mil pessoas acompanhando a celebração na Esplanada João Paulo II. Mais 20 mil fiéis participaram da Eucaristia dentro da Basílica, devido ao calor em Aparecida, logo pela manhã.

Para não perder nenhum momento do Festival da Padroeira, mais de 500 barracas foram contabilizadas durante a noite, espalhadas pelo pátio do Santuário Nacional.

Cerca de 8.500 peregrinos vieram a pé até Aparecida pela Rodovia Presidente Dutra, segundo dados contabilizados das 0h às 11h de hoje pela concessionária que administra a via. Desde 1º de setembro até o começo da tarde do dia 12 de outubro, foram cerca de 18 mil romeiros caminhando pela principal rota do país.

Segundo o Santuário Nacional, os romeiros que vieram de carro também encheram o maior estacionamento da América Latina, que fechou seus portões por duas vezes neste 12 de outubro. A primeira no começo da manhã, às 5h, reabrindo às 7h30. Já a segunda às 8h30, retomando a operação às 10h.

Devido ao excesso de veículos trafegando a rodovia, houve registro de lentidão nos dois sentidos da Dutra.

Redação Catholicus / Assessoria Santuário Nacional

PROJETO “FENÔMENOS” REÚNE GRANDES NOMES QUE FIZERAM HISTÓRIA NO FORRÓ

Pot Forró decumforca 

O projeto “Fenômenos – As vozes de uma geração” está dando o que falar. O show reúne artistas que fizeram história no forró como Kátia Cilene (Ex-vocalista da banda Mastruz com Leite e Forró do Bom), Batista Lima (Ex- vocalista da banda Limão com Mel), Walkyria Santos (Ex vocalista das bandas “Magníficos” e “Solteirões do Forró”) e Eliane do forró.

A primeira edição aconteceu em Maceió, no dia 7 de outubro. Dia 21 é a vez de Natal.

“Este é um projeto que chegou com tudo e está se consolidando a cada nova edição, tanto que hoje ele já se assemelha ao formato dos maiores festivais existentes no País!”, comenta Leonardo Sinfrônio, idealizador do evento.

De acordo com ele, a ideia inicial era criar um movimento de artistas consagrados que passaram por bandas e solos, reunindo num único evento grandes nomes que têm história no mercado e que evoluíram com essa história.

“O bacana é que este evento resgata os fãs destes grandes artistas e mostra para as novas gerações o sucesso que eles têm feito ao longo da carreira. Queremos com isso demonstrar a importância destes verdadeiros fenômenos para história e para a cultura do nosso forró, pois eles são grandes representantes do gênero, da música Nordestina e da música brasileira”, finaliza.

Veja agenda parcial até dezembro do projeto:

Outubro
Sábado dia 21 – Natal/RN

Novembro
Terça 14 (Véspera de Feriado) – Fortaleza/CE
Sábado 18 – Salvador/CE
Sábado 25 – Recife/PE

Dezembro
Sábado 02 – João Pessoa/PB
Sábado 09 – Aracaju/SE
Sábado 09 – Itabaina/SE

15 de outubro de 2017

Veja como está o Cantor Berg Rabelo Ex Calcinha Preta Ex Anjo Azul Veja!!!


Puxa o Fole: feliz sem forró


A família foi fator crucial para a decisão de Berg Rabelo de deixar os palcos. Hoje com 38 anos, cantor sobrevive de outras fontes de renda

Berg Rabelo deixou os palcos há cinco anos para ficar próximo à família. A aposentadoria veio aos 33, quatro anos antes do programado. O ex-cantor afirma ao Puxa o Fole que não sente saudades da época de shows e conta que não tem pretensão de voltar ao ramo.

Hoje, Berg atua nos setores da construção civil e de eventos infantis, em Recife. A avaliação do que o gênero se transformou nesta década é dura: "nem forró é".

Leia a seguir um pingue-pongue com Zildemberg de Sousa Rabelo, cearense de Pacoti, na Serra de Baturité, que comandou as bandas Chapéu de Palha, Forró Siriguela, Caviar com Rapadura, Calcinha Preta, Gatinha Manhosa e, por último, Anjo Azul.

Com o que você trabalha atualmente?

Encerrei a carreira, praticamente. Faz cinco anos, não sei ao certo. A última banda foi a Anjo Azul. Resolvi parar e me dedicar ao meu filho e família. Hoje atuo na área mobiliaria. Também tenho uma casa de eventos infantis em Recife, a Brincalhando. Na área da construção civil também. Estou fora do forró.

O que fez você abandonar a carreira musical?

O que me levou a sair foi a justamente a falta de tempo para a família. Comecei cedo aos 14 anos. Viajei demais. Todas as bandas me deram bastante trabalho. Pretendia me aposentar aos 37 e fiz isso aos 33. Não me via com 40 anos viajando. O lado ruim é a estrada. O momento de show é bom. Sinceramente, não sinto saudade. Em alguns momentos, quando vejo vídeos, me bate uma nostalgia. Mas foi bom enquanto durou.

Como você avalia os novos representantes do forró?

Eu acho que nem forró é. O Aviões ainda leva uma batida. Mas tem muitos deles que levam muito o sertanejo e foge do que fazíamos. Tem esse lance de ostentação. Hoje está menos ruim em relação a denegrir a imagem da mulher, a cachaça e a cabaré. Estavam pautando muito isso há uns três anos. Sinceramente não acompanhado mais. Tenho visto muito o sucesso de Wesley Safadão, pois é meu amigo desde Fortaleza. Ele está com outro padrão. Tem região, como no Sul, que chama ele de sertanejo. Então, fico meio dividido. Temos que aplaudir, pois ele tem na raiz o forró e ainda canta, mas não me identifico musicalmente com nenhum.

E o mercado do gênero na atualidade?

Pouca gente apareceu de cinco anos para cá do movimento do forró. Creio que nosso movimento está limitado. Perdeu espaço para outros ritmos. A desunião também é recorrente. Estamos em um momento ruim. Eles têm um trabalho de divulgação muito bom. Antes, tínhamos várias bandas que tinham músicas marcantes com Calcinha Preta, Limão com Mel, Cavaleiros do Forró, Magníficos e Gatinha Manhosa. Conseguiam ouvir várias bandas tocando ao mesmo tempo. Hoje se resume a Wesley e Aviões. Ainda destaco nesse movimento o Wesley Safadão.

O que o forró lhe deu de mais valioso?

Ganhei estabilidade financeira. Conheci o Brasil inteiro. Cantei para milhares de pessoas. Me deu reconhecimento. Hoje, por onde ando, as pessoas lembram de mim, principalmente o pessoal do "forró das antigas". Apesar de ter cortado o cabelo, quem conhece forró "das antigas", me reconhece.

E o que ocorreu de mais triste nesse período?

Foi a época em que o forró só falava em duplo sentido, música de baixo calão relacionada a cachaça e a cabaré. Hoje vejo diferente. Está voltado para a ostentação.

Existe perspectiva de retorno ao forró?

Eu não tenho pretensão, sinceramente. É uma vida muito corrida e cansativa a vida de músico e de banda na estrada. Eu estou feliz com a nova vida que levo.

Você apoiaria a carreira de músico na família?

Tenho um filho de cinco anos. Apoiaria se ele quisesse seguir esse mesmo caminho. Mas também não deixaria ele seguir uma carreira só de música. É interessante ter um segundo plano.
White renovado